sábado, 6 de agosto de 2011

Entregar-se

Numa manhã distante de sábado, violões despejam seus acordes em nossa homenagem. Enquanto ouço o estrilar típico de uma refeição matinal sinto o aroma doce do café que me desperta.Uma guitarra suave e desenvolta toma seu lugar. Agora penso em você. Como nunca antes havia pensado. O café misturado ao leite confunde-se com a cor de tua pele. Dentro da xícara vejo teus olhos me fitando carinhosos. Por um instante sou capaz de sentir o teu rosto encostado ao meu.

Você me diz que ele é cheio de cicatrizes. Mas, só vejo as marcas da natureza que te brindaram com o que há de mais belo. Teus olhos puxados agora estão mais perto. Me olham, me revistam, em busca de algo. Ainda não sei o que é. A guitarra continua forte. Ditando o ritmo alucinógeno desse homem, que resolveu entregar-se feito uma criança se expondo a uma fera indomável. Pois quando se está próximo de algo tão etéreo como você, o melhor é submeter-se ao seu jugo. Assim terei a certeza de que não estarei sozinho.

Nos mais violentos cataclismos, sei que haverá uma mão segurando a minha. Quando trombetas soarem e cavaleiros descerem dos céus,sei que terei minha protetora. Quando o inverno for intenso e meus lábios ressecarem, sua boca aquecerá a minha. Quando meu peito não mais pulsar, seu beijo será minha última lembrança e suas lágrimas me embalsamarão.

Aflaudisio Dantas