segunda-feira, 25 de maio de 2009

Redenção

De forma assustadora,
Invadiu todo o meu ser.
Redirecionou o sentido ,
Da minha existência.
Fez meu coração débil e gelado,
Se transformar num ser com vida própria
Meus dias que eram cinzentos,
Tornaram-se multicoloridos.
Minhas músicas melancólicas,
Ficaram mais alegres.

Fizeste revolução dentro de mim.
Da minha alma até a carcaça.
E quando tudo já era diferente,
O céu já não estava nublado,
E as flores não murchavam mais:
Sob o véu da covardia
Tu me abandonaste.

Nem ao menos foste sincera,
Nem me deste satisfação.
Apenas, virou as costas.
E à medida em que te afastavas,
Tudo ia desabando.

Os dias que antes eram cinzentos,
Agora são negros por completo.
No lugar do céu nublado,
Cai uma chuva torrencial.
Mas, o que não mata fortalece.
E desse mal não morrerei.
Assim como fui abandonado,
Abandonarei também este mundo esquizofrênico...

Aflaudisio Dantas

14 comentários:

  1. Muito bem escrito!
    Apesar de triste!
    MAs é o que acontece
    e pode acontecer com qq um!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. tão triste os seus poemas .. bem escritos e com muita sensibilidade .. mas tristes!!

    Abç.

    ResponderExcluir
  3. triste porem bem realista de forma abstrata !!
    poemas alem de alma deve haver espirito e verdade ...

    mas é belliiisiimo !!

    beijos

    ResponderExcluir
  4. Boa tarde!

    Esta é a vida: repleta de reviravoltas.

    Quando tudo está bem, podemos permanecer em estado de calmaria ou levar uma bordoada.

    O importante é saber se proteger, não se doar em demasia.

    Kiso

    ResponderExcluir
  5. " Fizeste evolução dentro de mim!"
    Essa linha tocou-me pelo sentido que transfere e se multiplica em nós, essa sua força de expressão!
    Parabéns!
    Visite-me:
    http://goiaschaopoemadobao.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Poema lindo...as palavras conseguem expressar os sentimentos... =]

    ResponderExcluir
  7. Melancolia...


    Gosto disso!!!


    Abraço.

    ResponderExcluir
  8. Como diria Pessoa,"chega a fingir que é dor, a dor que deveras sente"
    Belo poema!

    ResponderExcluir
  9. Caos, foi bem feitoo.. escreve um livroo..

    ResponderExcluir
  10. Bem, até Nietzche entrou no rol de imagens deste poema. E é exatamente isso que pode definir o (belo) poema: saímos de certas situações fortalecidos, "descolados" com a experiência.

    E isso é fundamental.

    abs!

    ResponderExcluir
  11. Você escreve com sentimento e atitude, aprecio isso!

    ResponderExcluir
  12. cara vc escreve muito bem já pensou em publicar um livro de poemas

    ResponderExcluir

manifeste-se