domingo, 19 de abril de 2009

Crepúsculo

As esquinas me olham curiosas
Perscrutando aonde quero chegar.
As percorro, uma por uma.
Buscando o que?! Não me perguntes.
Ando lado a lado com a noite.
Entro nas mais lúgubres tavernas.
Tomo dos vinhos mais baratos.
Olho no fundo de cada copo vazio.
Quem sabe lá, vejo o teu rosto.

Minha busca é incessante.
O que busco?! Por Deus! Não perguntes!
Nem eu mesmo o sei.
E as esquinas?
Essas continuam a me fitar.
Não mais com curiosidade.
Mas, com uma compaixão enternecida!!!
As vezes penso que choram por mim.

Imagino que poderia tomar outro rumo.
Talvez eu imagine demais.
Agora mesmo enquanto concebo estes versos.
O tempo implacável se abate sobre mim.
Mas, eu continuo pensando.
Amaldiçoados sejam os que pensam.
Não se chateie com minha melancolia.
Apenas veja nos meus olhos,
Toda a desilusão de minha alma!
अफ्लौदिसियो Dantas

3 comentários:

  1. melancólico e verdadeiro.... belas palavras ....

    ResponderExcluir
  2. Lindo poema! Posso até dizer que sentir atráves dos teus/meus olhos a desilução de sua/minha alma.kkk Que loucura! A busca me fascina...Gosto de compor utilizando essas palavras: busca, curiosidade, melancolia, olhos, alma...

    Parabéns pelo blog e pelas poesias!

    http://palavrasdevaneios.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post! Adorei!

    visite também meu blog, pls
    www.odiariodajeni.blogspot.com

    ;D

    ResponderExcluir

manifeste-se